• Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Junte-se a 5 outros seguidores

  • GRANDESodisseias

  • Categorias

  • Strava

  • sitemeter

  • Arquivo

Travessata Sulista – Melides a Sagres 15-16-17 Maio

Por uma das Janelas do Duros-Mobile uma vuvuzela emitia o despertar matinal,
“DURO QUE É DURO NÃO DORME, DEIXA CAIR AS PESTANAS PARA POUPAR ENERGIA” .
Desconfiado, olhei para a viatura que seria a nossa casa durante três dias.
Pelo aspecto, a contribuição para o efeito de estufa ultrapassava em muito os limites impostos pela lei, peguei na mala e entrei……..
Lá dentro, quatro marmanjos, com aspecto de quem tinha passado a noite longe das obrigações matrimoniais, os olhos denunciavam o liquido das garrafas que empunhavam na mão e rolavam pelo chão da auto caravana…
De imediato fui empurrado para o lugar do condutor para completar os ultimos 90 kms ( que se transformaram em mais de 150 kms conduzidos por um embriagado tomtom).
A custo lá chegamos a Melides o ponto de partida possivel pelo adiantar da hora……
Duros-Mobile
1ª etapa Melides /Odemira
Uma etapa característica, que corria o risco de se tornar monótona , não fossem as paisagens que nos proporcionada. Estradões rolantes apimentados de quando em vez com um barranco ou outro que nos obrigava a esmagar pedal para ultrapassar os curtos obstáculos….
Inicio em Melides,
 Estradões de areia
O sobreiro envelhecido
Caracteristico
Onde é que já vi esta imagem (froids)
Alentejo Profundo
Nem tudo é rolante
Barragem Morgarvel ,
Com o vento de feição, foi só erguer o pano e rolar até troviscais, onde o Duros-Mobile nos aguardava juntamente com o Motorista armado em cozinheiro, (ou seria o contrário).
Adiante, lá chegados tinha-mos duas opções seguir um trilho criado pelo myrage sobre a superfície do google ou pernoitar naquele local….
Com a concordância dos restantes decidimos completar a centena de kms até a Odemira.
Depois do sabão e da toalha lá partimos pro combate
E mais umas cargas etilicas o aspecto dos gajos
Visto a comodidade do colchão só dar para três, os verdadeiros duros tiveram que dormir sobre o asfalto.. (mas duro que é duro não dorme deixa cair as pestanas …….)
2ª Dia Odemira-Aljezur
Neste preciso dia fazia 8 anos que eu tinha usado gravata pela ultima vez, desde então só a pessoa que me “obrigou” a vesti-la tinha partilhado comigo o mesmo leito…..
Eram 5h45 desta vez a companhia era bem mais barbuda e ruidosa…… Mas de longe preferível a outra opção cuja a ausência de pêlo levanta suspeitas á orientação mental do dito.
Com um empurrão acordei o barbudo,
“Clavículas vamos por os gajos a pé “
Logo começamos uma mini manifestação, a que os outros responderam com palavras menos próprias a consumo interno…
Enfiei-me de novo dentro do saco cama , que pela bitola devia ser medida de chinês e me obrigava a uma ginástica reforçada para me acomodar minimamente dentro dele .
às 8 horas fiz nova investida para acordar o mandriões e finalmente fui minimamente aceite….
Tomado o Pequeno almoço …
Lá partimos para a segunda etapa da travessia
Odemira- aljezur
Saída de Odemira
Esta etapa prometia ser a mais dura visto o track rasgar a serra de Monchique.
O inicio muito rolante junto ao rio mira, com paisagens de rara beleza enquadrava na perfeição, nos ressacados da auto-caravana.
Os sobreiros continuavam a marcar presença, mas as margens do rio, luxuriantes de vegetação melhoravam em muito o seu enquadramento.
 Ao fim de uma dezena de kms chegou a altura de atravessar o rio, a pé descalço lá se fez sem grandes dificuldades, visto o caudal não ser de muita “litragem” .
 Aproveitando a paragem lá ingerimos a barra da palha .
Ciclovia
Pé descalço
Mira
Passado o rio rolamos até Saboia, terra pacata e característica do Alentejo
 Aproveitando a paragem, o claviculas comeu uns 5 panados e ingeriu umas 4 minis , “temos de prepar a serra” dizia ele…
Rotunda para saboia
Sonhos de Criança
Panados patanisca e minis fresquinhas em saboia.
Bem dito motorista
No pico do sol lá partimos em direcção á serra de Monchique , primeiro pela nacional 102, depois apanhando um trilho na companhia de um ribeiro que várias vezes se atravessou no nosso caminho.
Em vale porco começou então a trepa do dia, um estradão degradado, composto de xisto miudinho  lama pegajosa  e inclinação absurda.
Quanto á paisagem nada de interessante a reter, visto esta ser composta por eucalipto e corta fogos, que em nada ajudam a quem faz a subida á serra na hora de pico de calor.
Na possibilidade de alternativa a esta parte da travessia a meu ver devia ser alterada..
Desta forma se chega a terras algarvias, do sopé da serra até a Aljezur foi um tiro, onde um reconfortante banho no parque de campismo local nos proporcionou a limpeza necessária para o ataque aos grelhados que nos esperavam
Serra de Monchique
Uma das varias passagens no ribeiro
outro abutre
Mais um
Panado e mini
Castelo Aljezur que por teimosia teria de trepar pela segunda vez
eles e elas que foram muitas
3º dia Aljezur- Sagres
Para arrumar a coisa, havia-mos combinado sair cedo……
Levei a coisa á letra e perguntei ao Myrage
“tenrinho que horas são? “
A que ele responde secamente
“Cala-te e dorme ainda é 1 da manhã”
Acedi, e deixei cair as pestanas mais um pouco…….
3ªdia
Aljezur- Sagres
8 horas e já partia-mos rumo a sagres para a nossa ultima tirada, que ditava ser dura apesar de ser a mais curta, não viria a mostra-se nada fácil……
Por teimosia do Myrage lá tive de subir novamente ao castelo de Aljezur…….
Depois de uma meia dúzia de kms em estrada, lá volta-mos ao terreno para o qual fomos concebidos,
Neste caso rolantes e rápidos por montes algarvios
Sagres ao fundo
Chegados á carrapateira , surge um homem da roda fina (trepador da figueira)
que se prontificou a fazer-nos companhia por uns kms em estradão
Durante uns 5 kms foi fazendo de guia, enquanto a voz lhe tremia com trepidação frontal da estradista..
El carbon
Nas falésias da Carrapateira o intruso ia perguntando por onde ia-mos, eu respondi que não sabia, que quem mandava era o gps.
Deixamos o penetra nos famosos trilhos da transportugal, impróprios para cardíacos pelo perigo que representam..
Passados os perigos, foi rolante até a sagres onde termina-mos a travessia e a duros mobil nos levou até a casa
Os duros
Claviculas
Vanderbike (mim)
El Carbono
Especial one (Espanhol)
Pronto para outra aguardo a Ligação chaves – Ponte de Lima, que ditará mais uma parte da nossa travessia de Portugal
Mylacamera
Vanderbike

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: